PROJETO SEMIÁRIDO 2/14 : CASA PRÉ-FABRICADA SUSTENTÁVEL PARA O SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Home » PROJETO SEMIÁRIDO 2/14 : CASA PRÉ-FABRICADA SUSTENTÁVEL PARA O SEMIÁRIDO BRASILEIRO » Noticias » PROJETO SEMIÁRIDO 2/14 : CASA PRÉ-FABRICADA SUSTENTÁVEL PARA O SEMIÁRIDO BRASILEIRO

O Semiárido ocupa 18,2% (982.566 Km²) do território nacional, abrangendo mais de 20% dos municípios brasileiros (1.135) e abrigando 11,84% da população do país. Mais de 22,5 milhões de brasileiros/as vivem n0 Semiárido, sendo 14 milhões na área urbana e 8,5 milhões no espaço rural, A maior parte do Semiárido situa-se no Nordeste, estendendo-se também pela parte setentrional de Minas Gerais (o Norte mineiro e o Vale do Jequitinhonha), ocupando quase 18% do território do estado. No Nordeste, dos seus oito estados, metade tem mais de 85% de sua área caracterizada como semiárida. Mais da metade (59,1%) dos brasileiros em situação de extrema pobreza estão no Nordeste. Destes, mais da metade (52,5%) vivem em áreas rurais da região, principalmente no Semiárido. 

Comparado com outras regiões semiáridas do mundo, onde chove entre 80 a 250 mm por ano, o Semiárido brasileiro é o mais chuvoso do planeta. Nele, cai do céu, em média, de 200 a 800 mm anuais. Uma precipitação pluviométrica concentrada em poucos meses do ano e distribuída de forma irregular em todo semiárido.  Tanto a ausência ou escassez das chuvas, quanto a sua alta variabilidade espacial e temporal são responsáveis pela ocorrência das secas – um fenômeno natural e cíclico nesta região.  A  falta de água potável no Semiárido, pelo menos a nível domiciliar, principal causa do alto nível de ocorrências de diarreias e disenterias bacterianas, tem sido amenizada por programas como o Programa de um Milhão de Cisternas (P1MC), mas a falta de coberturas (telhados) adequadas nas precárias moradias (ver foto abaixo) existentes, reduz significativamente o abastecimento das 600 mil cisternas de 16.000 litros já instaladas.

Casa rural em Acauã, PI

Dadas as condições climáticas e de desenvolvimento sócio-econômico atualmente prevalecentes no Semiárido brasileiro, a Expobrax concluiu, depois de extensa pesquisa e avaliação in loco, que qualquer programa de construção de moradias  para a região, além de considerar o menor custo possível,  deve ser especialmente desenvolvido para atender aos seguintes requisitos essenciais: 1) construção rápida sob condicionantes relacionadas à escassez de madeira, concreto,  água e energia elétrica e, ainda, falta de mão de obra qualificada; 2) dificuldade de acesso à áreas rurais remotas e desprovidas de estradas pavimentadas e arruamento público; 3) construção de telhados ou coberturas com mais de 40 m2 e alta eficácia (100%) na captação da água da chuva sem detritos e sujeiras; 4) proteção térmica contra o calor intenso provocado pela irradiação solar; 5)  paredes externas e divisórias internas protegidas da infestação por fungos e insetos (“barbeiro”) ; 6) piso com revestimento de cimento ou cerâmica simples; 7) inclusão de cozinha, banheiro e cômodos (três ou quatro quartos) com possibilidade de expansão; 8) total impermeabilidade e proteção contra a intempérie; e, 9) possibilidade de adaptação de kit para produção de energia solar. 

Para o pleno atendimento às condicionantes acima referidas, a Expobrax testou e aprovou em 2014 o abrigo de aço GALVALUME modelo  BRAVO ou CHARLIE 20-16 (ver a foto acima) com as dimensões 6,29m larg. x 4,67m alt. x 10,75m comp. = 67,32 m2 para a captação eficaz da água da chuva (100%) e o máximo conforto térmico na região do Semiárido. O referido modelo pode assegurar os seguintes benefícios : 1) baixo custo com o uso mínimo de alvenaria (cimento e ferro na construção de fundações diretas, paredes internasrasas e do piso liso, e rápida montagem (10 dias úteis) sem a necessidade de mão de obra qualificada ou ferramenta especiais; 2) pouco peso e extrema portabilidade para o transporte do material metálico por qualquer veículo (inclusive carroça ou lombo de jumento); 3) proteção térmica contra a irradiação solar (83%) e grande resistência à corrosão, provida pelo aço GALVALUME (cinco vezes maior do que a do aço galvanizado); 4) além da proteção provida pela refração solar, dissipação do calor pelo alto pé direito central e o uso de exaustores eólicos no teto; 5) capacidade de captação de 50.250 litros de água da chuva, dado o índice pluviométrico anual de 750 mm; 6) kit opcional de revestimento interno e divisórias com drywall e/ou PVC (incluindo  lã de vidro) para regiões de calor intenso; 7) kit opcional de caixa de água interna com 500 litros, incluindo a tubulação até a cisterna para água da chuva; 8) kit opcional de cisterna para 16.000 litros ou 32.000 litros, caso não exista cisterna disponível para o armazenamento da água da chuva ; e, 9) kit opcional de captação de energia solar para produção de energia elétrica. Clique aqui para falar conosco e obter maiores esclarecimentos visando contribuir para melhoria das condições de vida no Semiárido brasileiro.

Leave a Comment